Obesidade infantil aumenta em 400% o risco de pressão alta na vida adulta




O índice de obesidade no Brasil tem crescido bastante, aumentando em 54% a partir do ano de 2006.

A principal causa desse mal é a vida agitada dos centros urbanos: quem não tem tempo de comer em casa investe em uma alimentação gordurosa baseada em salgadinhos, doces e frituras. Unida a esses alimentos, a falta de prática de exercícios cria uma visão preocupante para o futuro das pessoas.

As crianças acabam sendo influenciadas por essa rotina dos pais e familiares, o que acarreta problemas de saúde para elas hoje e no futuro. Por conta disso, doenças como diabetes tipo 2, problemas ortopédicos, disfunções alimentares, apneia do sono e hipertensão estão invadindo a vida dos pequenos.

O que causa a hipertensão?



Também conhecida como pressão alta, a hipertensão é uma doença típica em adultos, mas que tem atingido cada vez mais as crianças. Os principais motivos que levam os jovens a desenvolverem essa doença podem ser:
  1. Ausência de amamentação durante a gestação;
  2. Tabagismo durante a gravidez;
  3. Fatores psicológicos ao longo da vida da criança (agenda muito cheia de atividades, cobrança por parte dos pais, etc.);
  4. Má alimentação;
  5. Falta de exercícios físicos;
  6. Fatores genéticos.
Porém, o que tem sido o principal motivo para a presença de hipertensão em crianças é o sobrepeso ou obesidade, que pode ser evitada a partir da realização de atividades físicas e boa alimentação.

Como prevenir

A prevenção é a chance de evitar a hipertensão em crianças e em adultos. Desde cedo, deve-se levar em consideração se há outros casos dessa doença na família (fatores genéticos) e, caso positivo, sempre ter um medidor de pressão por perto. Esportes e atividades ao ar livre devem ser incluídos na rotina e frutas, vegetais e legumes devem ter espaço privilegiado nos pratos da família. Os medicamentos são indicados apenas para casos graves e devem ser tomados com orientação médica.

Esses cuidados ajudam também contra outras doenças relacionadas à hipertensão ou obesidade, como doenças do coração, por exemplo. A criança hipertensa ou obesa tem grandes chances de ter problemas cardíacos e cardiovasculares na vida adulta, decorrentes do colesterol alto causado pela má alimentação e sedentarismo.

O processo de aceleração da Aterosclerose pode ser verificado em pessoas de apenas 18 anos, que mantiveram esse estilo de vida desde pequenos. Os vasos e as artérias que vão envelhecendo ao longo da vida tiveram esse processo bem mais adiantado nos jovens que não se exercitavam ou tinham uma boa alimentação, o que pode levar à infartos do cérebro ou coração no futuro.

Além da modificação dos hábitos alimentares e prática regular de exercícios, a família deve ser um exemplo de comportamento para os filhos: ao longo do ano, exames de sangue devem ser feitos para saber como estão os índices de colesterol, glicose e vitaminas. Afinal, manter uma vida saudável desde pequeno e evitar problemas futuros depende, acima de tudo, do apoio familiar e escolar.


E você, conhece outros cuidados para ajudar as crianças a enfrentar a obesidade? Compartilhe com a gente nos comentários abaixo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário